segunda-feira, 19 de novembro de 2012

Basalto


Agora que se o mar ainda
rebenta é por acção da memória, arrancam-me
basalto ao coração ondas fortíssimas.

Ainda o vejo às vezes por aí, olhamo-nos
então como se à boca
nos viesse o sabor do nosso próprio coração,
mas pouco há a dizer acerca disso.

Luís Miguel Nava (1982)

0 Comentários:

Enviar um comentário

Subscrever Enviar comentários [Atom]

<< Página inicial